Presente de Anninha

Presente de Anninha

domingo, 28 de fevereiro de 2010

O PROBLEMA DOS FINS DA EDUCAÇÃO

De modo geral , a ação humana é finalística . Isto quer dizer que agimos visando a algum objetivo que explica a nossa conduta e é a razão dela . Este caráter finalístico existe também na atividade do professor . De fato , por mais despreocupado que esteja com os fundamentos de seu ensino , o professor não age ao acaso , cegamente , sem consciência do que está fazendo , ou dos caminhos que pode escolher para desempenhar a sua tarefa e , muito menos , do significado que esta tarefa possa ter .
Na verdade , se pararmos para pensar e refletir sobre a conduta de um professor em relação a seus alunos , verificamos que , seja qual for o grau de cultura deste professor , ou ainda , seja qual for o nível de atualização em que ele esteja sempre se pode perceber , no seu comportamento , uma finalidade , um sentido último , que nos fala do que este professor julga ser o melhor para seus alunos , em termos de um ideal humano ao qual eles devem aspirar . E isto ocorre em relação a qualquer professor .
É necessário algo mais do que o domínio de uma técnica para se ter um educador . É necessário uma atitude espiritual , uma consciência do que é o homem , do seu papel e do seu sentido no mundo .
Nestes termos , o ensino se torna uma questão de fins , de objetivos , ou melhor , de um ideal proposto e almejado . E , quando falamos num ideal de homem , estamos penetrando no legítimo terreno da Filosofia da Educação . Nele , a educação se torna um problema , que não se esgota nos limites do conteúdo das matérias lecionadas , mas vai mais além , na medida em que o educador deve subjugar estes objetivos imediatos e específicos da ação didática e princípios basilares norteadores da formação da personalidade humana .
Aqui se impõe então uma pergunta espinhosa e muito difícil de ser respondida . Educar , para quê ? Quais os melhores , mais justos e mais belos fins que , em última análise , devem dirigir a educação ?
Não há uma resposta única para esta questão . Nenhum teórico da Pedagogia tem a fórmula para se formar um homem . Vejamos por quê . Talvez pareça a alguns que os fins da educação são certos e indiscutíveis , que se está criando uma polêmica inútil sobre um assunto pacífico . Mas então caberia perguntar . Como sabe o educador que os fins últimos da educação que ele elegeu são válidos ? O que lhes dá esta validez ? O que os legitima ? Ora . isto nos leva a uma interrogação mais ampla , a respeito da permanência ou transitoriedade dos fins educativos . Pode defender-se a idéia de que existe um ideal de homem , modelo para todas as épocas ? Seriam os fins da educação perenes ou transitórios ?
A História da Educação nos ensina que cada época defendeu um ideal e um tipo humano que o encarnou , ideal este desmentido pela época seguinte que o substituiu por outro , a seu ver mais válido e mais legítimo (...)
Como vemos , seja para formar o herói , guerreiro , ou o filósofo , ou o cristão , ou o súdito , ou o cidadão , os ideais educativos sempre se apresentaram em busca de um fim , de um valor supremo , de um modelo que se considerou o ideal , o mais belo , o melhor , sem que se percebesse que era fruto de uma situação social , existencial , de uma época , o ¨seu ideal ¨e nâo ¨o ideal ¨.
De fato , a eduacação é parte integrante da vida do homem e da sociedade .
Sendo assim , relaciona-se estreitamente com as concepções culturais e sociais de cada momento histórico . A sociedade e a cultura de cada etapa da civilização produzem ideais e tipos humanos que a educação trata de realizar . E esses ideais traduzem as necessidades e as aspirações de cada povo e de cada época . Eles não podem ser absolutos porque aquelas situações a que procuraram atender não o foram , já que não permaneceram .
Fossem perenes , até hoje estaríamos defendendo um mesmo ideal . Na verdade , o ideal que buscamos hoje não é o de ontem , nem será o que os nossos sucessores defenderão amanhã .
A história nos ensina que não há ideal eterno , que o que é eterno é a busca da perfeição , este anseio de validez universal alimentado por todos os filósofos de todas as épocas , sempre à procura de um modelo que se apresente em termos de perenidade .
Embora os fins da educação sejam múltiplos quanto ao seu conteúdo , devemos reconhecer que a atividade pedagógica é sempre formadora . E o é porque por trás dela está a crença de que o homem pode ser modificado . Sem esta convicção a tarefa do educador perde a sua razão de ser .
De fato , diferentemente do animal , cujo comportamnto se repete milenarmente , o homem é capaz de modificar a natureza e criar , a partir dela , um universo que é obra exclusivamente sua , o universo da cultura .

BARROS Gilda Naécia de. In.SÂO
PAULO (Estado), Secretaria da Educação.
Coordenação de Estudos e Normas Pedagó-
gicas . Departamento de Recursos Humanos .
Por um ensino de 1° grau por multimeios .
módulos / São Paulo , MEC /SE/CENP/DRHU/
FPA,1978,p.17-8.







Um comentário:

{♥Åññä Lµí§ä♥}_L€ØNARÐØ disse...

Bommmmmmm diaaaaaaaaaaaaaa!
Vim deixar meu carinho e lhe desejar um dia supeeerrr feliz...

Beijosss fica com Deus!

Palavras jogadas ao vento ...

Palavras jogadas ao vento ...
Sopre cinzas pela janela ... Guardar sentimentos como mágoa , ressentimento , rancor e ódio , envenena o coração e atrai doenças como o câncer e outras tantas ... Então meu amigo , minha amiga , jogue todas coisas ruins ao vento e pode ter certeza não irás colher tempestades , não . O vento filtra todas as coisas negativas e as transforma em poesia

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
SOU UM GRÃO DE MOSTARDA ...